Internacional

SOLIKON, a criar alternativas de Lisboa a Berlim

0

main

Internacional

SOLIKON, a criar alternativas de Lisboa a Berlim

0

Perante a situação de crise económica e de emergência social presente em cada vez mais regiões da União Europeia importa pensar em soluções que, mais do que ajudar as pessoas em apuros a ultrapassar os seus problemas financeiros, soluções que ajudem a criar formas inovadoras de organização social, alternativas às que o sistema capitalista nos possibilita. No Congresso de Economia Solidária, o SOLIKON 2015, que se realizou em Berlim, de 10 a 13 de setembro, procurou-se partilhar e discutir abordagens, visões e práticas acerca de novas formas de atividade económica, baseadas na solidariedade e na sustentabilidade.

Semana da Mudança

Em modo de preparação do Congresso, durante a semana anterior, foram organizadas visitas a iniciativas de base local, cujo modelo financeiro assenta em princípios de solidariedade. A Academia Cidadã participou numa dessas visitas, nomeadamente ao bairro berlinense de Kreuzberg, durante a qual conhecemos diversas cooperativas, com atividade nos mais diversos ramos. Conhecemos uma padaria, a mercearia biológica Kraut & Rüben, a discoteca SO36, uma oficina de bicicletas, e o centro educativo e cultural Regenbogenfabrik.

05padaria106padiaria2

07oficina bicicletas

Congresso SOLIKON 2015

Já durante o Congresso, estes foram os temas tratados: comunidades com sistema de troca direta baseada em princípios de solidariedade, cooperativismo, economias alternativas, energias renováveis, moedas sociais, decrescimento, economia entre pares, economia dos bens comuns, movimentos de transição, economia da felicidade, economia feminista, ecologia. Para tratar estes temas, foram desenvolvidas palestras, debates e oficinas práticas, com participantes a vir dos quatro cantos do mundo.11jogo_moedas1De todas as apresentações a que assistimos, queremos dar especial atenção à palestra “Learning from the global South!“ e às intervenções realizadas pelxs companheirxs vindxs do Brasil, nomeadamente a Rosangela Alves de Oliveira (Universidade Federal do Rio Grande do Norte), o Professor Paul Singer (Secretaria Nacional de Economia Solidária, Departamento do Trabalho, Brasil) e o Flávio Chedid14_economia solidária brasil_Flávio Chedid (Núcleo de Solidariedade Técnica, Universidade Federal do Rio de Janeiro). Resumindo, xs palestrantxs demonstraram como o movimento de economia solidária tem vindo, já desde os anos 80, a contribuir para o fortalecimento e sustentabilidade da sociedade civil brasileira. Graças a este movimento, existe hoje uma consistente rede de economia solidária que envolve não só coletivos de base e universidades espalhadas por todo o país, mas também secretarias de estado nacionais.

Salientamos também a oficina “Alternative currencies board game”, dinamizada pela brasileira Lenara Verle, durante a qual xs participantes eram convidadxs a entrar num jogo de tabuleiro, cujo principal objetivo era criar e fazer crescer uma moeda. Lenara acredita que a atual cultura que vivemos, na qual existe apenas uma moeda é pouco resistente a ataques financeiros e que a criação de várias moedas alternativas nos tornaria mais resilientes e sustentáveis. Este jogo é fruto da investigação sobre economias alternativas que a autora tem vindo a desenvolver nos últimos anos.

17_oficina impressão grupo refugiados

O nosso contributo

A Academia Cidadã, representada pela Joana Dias, esteve presente no painel “Solidarity Economy Initiatives and Networks in Southern Europe”, na qual também estiveram presentes companheirxs de países como a Grécia, Espanha e Itália. Falaram-se de iniciativas de base que têm vindo a contribuir para aliviar os efeitos da austeridade nesses países, nomeadamente nas áreas da agricultura, saúde, educação e cultura, iniciativas das quais a Academia Cidadã também faz parte.

A Joana teve ainda a oportunidade de desenvolver uma oficina prática sobre diálogo intercultural, durante a qual foram abordados conteúdos tais como equidade, diversidade e interculturalismo. Através de dinâmicas em educação não-formal, foram facilitadas ferramentas de promoção do diálogo intercultural em contextos de grande diversidade cultural.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *